domingo, 27 de maio de 2012

Aqui Jazz - Desesperos Tardios IX


Descobri por esses dias que esse aqui é o meu lugar. Definitivo.
Aqui é onde deixo meu luto e minha luta. 
Depois de nascer aqui, tanta gente aqui jaz, aqui paz.
Teve gente que reconstruiu o milagre de renascer mais forte. Alguns ainda andam como zumbis em dia de Halloween, outros “Ne me quitte pas”, passaram.
Alguns chegam enchendo meu jardim de tralha, cambaleando entre as minhas flores claras, pedindo só um lugar pra dormir por uma noite.

                                                                         Tem sempre algo de você aqui.

Tem quem peça calma quando eu sou tempestade.  Tem quem prenda quando eu, liberdade. Tem quem vai na instabilidade. 

                                                                          Mas tem você aqui.

Aqui tanta gente jazz, canta alto e sapateia. Roda, pula e despenteia. Borra a boca e me bronzeia.
Aqui tanta gente ainda é gente, que às vezes, descontente, vou pulando de quintal.  

                                                                          Mas você ainda mora aqui.

Já teve tanto céu, tanto voar, um blá blá blá e uma série de conflitos. Já teve tanto amor, tanto mar, tanto infinito. Já teve números de me complicar, teve partes a faltar... 

                                                                         E você, que continua aqui.

Aqui já teve tanto terremoto, chororô, algum rancor, mas nada fica, porque aqui jaz e depois do corpo na cova, da terra no túmulo, do luto velado, o que nasce depois, é flor.

                                                                         Você, aqui vive.