domingo, 14 de agosto de 2011

Go Ahead and Take My Hand - Catástrofes Naturais VI

E não tem o que ser feito, agora é ir em frente.

Chorar o que tiver que chorar, se tiver choro e se houver vontade, senão a gente ri e acaba chorando de rir e entre uma lágrima e outra há de ter uma que carregue a dor que não saiu antes e no instante vai despercebida.

A gente guarda o que achar que vale a pena no coração guardar que o resto o tempo se encarrega de fazer esquecer. Aprendendo a dar as mãos e abraçar os momentos mais raros, desenhando a quarta folha no trevo por conta própria, que a nossa sorte é a gente quem faz.