quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Tudo dela é pra você

Que dia de cão.

Minha cabeça dói porque as palavras não saem.

Se eu dissesse também não faria sentido e eu não quero explicar, só sei que eu sinto.

Sinto muito por não ter falado que o que eu sinto é mais do que posso suportar.

Eu tive a minha chance e demorou tanto.

Eu vim depois das pessoas erradas e depois das certas, eu era o que então?

Eu sei por quem você contava os dias.

Só não sabia por quem batia o coração.

Ainda não sei.

Nem sei se bate.

Bate?

Como eu poderia acreditar que a minha vez tinha chegado de verdade?

Você tem sorte.

Você tem pensamentos monopolizados em você e tudo a favor.

Eu contava os dias que faltavam pra eu tomar coragem de dizer alguma coisa.

Eu dizia uma coisa.

Você dizia outra coisa.

Estava tudo fora do lugar, inclusive a gente.

Você me tiraria pra dançar se tivesse outras opções?

Agora eu sei que as suas palavras não foram pra mim.

Aquelas todas que eu perdi a conta de quantas vezes li.

Eu acreditei em tudo.

Burra, burra, burra!

Eu me odeio e te amo.

Pra sempre.

Pra sempre é muito tempo, eu espero que não esqueça.

Quantas vezes mais vou ter que gritar seu nome até você me ouvir?

Um comentário:

• YuЯi KiddO • disse...

"Você me tiraria pra dançar se tivesse outras opções?"

a pergunta que não quer calar.

às vezes um bom sussurro resolve. outras, o melhor é a morte "acidental".