quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Sonho de uma noite de Révellion

Contagem regressiva, os fogos à espera da explosão e ele se aproximou.

Deu um sorriso no canto da boca e desejou um ano melhor, sempre melhor. Segurou minha mão e pediu para que eu não soltasse até o fim da queima de fogos.

Eu não disse nada, olhava o rosto dele iluminado e o céu queimava em cores. O tempo não parou, pedi tanto pra que ele parasse, mas nessa época do ano, o tempo só está preocupado mesmo em passar.

Foram quinze minutos de fogos, milhões de gotas de champagne e as nossas mãos que pareciam já ter nascido juntas daquela forma.

Ao final de todos os abraços, de tantos sorrisos alheios à nossa pequena magia de ano novo, ele me beijou as mãos e agradeceu por eu ter compactuado com aquela vontade súbita dele de segurar minha mão de fada.

Se despediu com um sorriso e sumiu na multidão.

Um comentário:

kiddo disse...

isso me fez lembrar do reveillon de 2009, cheio de bolhas de champanhe e espumas salgadas do mar. um amor cansado e rejuvenescido àquela noite, naquela viagem. Pink Floyd, maconha e Ela ao meu lado. Como pode um ano começar tão bem e acabar tão mal?