quinta-feira, 28 de maio de 2009

Nouvelle Vague

Você consegue imaginar, nenhum amor, orgulho, pizza e
alguém sempre te defendendo (mesmo quando eu sei que
você estava errado)?
Você pode imaginar nada de primeira dança, romance
seco congelado, conversa de 5 horas debaixo da velha
ponte, o melhor café sem cafeína que já tomou e... eu?
Você imaginaria todas aquelas palavras ditas por medo,
por dúvida, por impulsividade, por mim?
Um aquecimento global como você poderia derreter todo
as calotas do meu coração?
Pediram para que eu imaginasse como seria me dar
uma chance.
A verdade foi lançada para mim, eu guardei todas as
minhas chances para quando fosse preciso, agora preciso
delas. Preciso viver. Preciso.
Quatro opiniões vistas de ângulos diferentes, todas
direcionando para o mesmo lugar. 
“-Você perde um e ganha seis.” 
“-Seis?”
“-Sim, seremos nós quatro, tu vai voltar pra si mesma e
ainda pode ser acompanhada.”
“-Não me iluda. Sabe, já é o bastante voltar pra mim
mesma.”
“-Ainda te vejo acompanhada.”
Eu imaginei tudo? Sei lá, o dia bateu de novo.
Os dias parecem que fazem acordo pra me acordar para
algo novo. 
“-De novo?”
“-O Novo!”
“-Mas é o mesmo!”
“-Deixa eu te mostrar que é novo.”
“-Mas eu estou vendo, eu já conheço.”
“-Se você deixasse, eu te mostraria que é novo, veria
que não conhece.”
“-Tudo novo?”
“-Tudo.”
Não foram só opiniões, foi amor.
É que agora eu posso começar a enxergar um novo tipo
de amor.
“-Começa amanhã?”
“-Não, hoje!”
“-E pra que essa pressa?”
“-É que se tem que mudar, que mude logo, não me dê
tempo de adiar.”
“-Então eu faço parte disso?”
“-É, faz sim.”
“-E eu só soube agora por qual motivo?”
“-Eu demorei pra ver que nunca é tarde demais.”
Hoje foi um daqueles dias em que grampeei todas
as minhas vontades.
Os grampos acabaram, agora eu vou desgrampear todas
as vontades e dizeres. E você. Agora eu vou tentar
o novo, que talvez eu já conheça, que talvez
eu goste de reconhecer.

2 comentários:

Anônimo disse...

tá falando da sua vida? pareceu bem real p/ ser só inventado.fico imaginando se todos esses papinhos acontecem mesmo. gosto do blog, volto em breve.

Puro Landoni disse...

O fim do meu blog não tem nenhuma relação com a amizade e o enorme carinho que tenho por você. Disse e digo outra vez: jamais iria lhe ignorar. Só está sendo muito mais difícil do que eu imaginava.

Hoje tive de admitir pra mim mesmo que o Puro Landoni era parte do desejo e dos sonhos que hoje estão em ruínas dentro de mim, parte do amor que não vou poder nunca compartilhar com você, e que ele, meu blog, estava sendo sobretudo um motivo pra me comunicar com seu coração e era basicamente pra esse fim que ele existia.

Hoje descobri que seu coração está tentando falar com outra pessoa, por isso o Puro Landoni se esvaziou de sentido, por que ele não pode mais dizer pra você o que você sempre disse para "outros".

Vou me concentrar ainda mais no meu livro, e me afastar cada vez mais da internet e de sonhos que não sejam literários. Não gosto menos de você, não mesmo.

Desejo toda felicidade do mundo pra você, de verdade: isso eu já disse e nunca deixaria de cumprir.

Você sempre foi ótima comigo, minha tristeza nada tem a ver com você, tanto que pra mim não há um cara mais abençoado no mundo do que o "seu". Espero que ele saiba disso.

BJule