sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Não!

E se é pra descontar em mim a sua sua raiva, desconta toda. Não quero mais nada pela metade. Eu podia te aceitar do teu jeito. Eu podia amenizar seus defeitos. Mas não! Não vou fazer.
Juliana Marques.

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Pra você, minha garota especial:

Sabor de cereja, de morango... paladar

Aroma de tudo que é bom e nos faz suspirar. olfato

Graciosa beleza que cego não me fez sonhando. visão

Aspiro por um toque em quem os inspira em todo lugar. tato

Zunido do vento vem sempre soprando:

“- Acredite, seu amor não é por nada. Seja o que for continue a acreditar." audição

Meus sentimentos fazem sentido;

Você faz todo sentido pra mim. Parabéns por sua conquista, e que venham muitas outras! (~~

Do seu 'suspirante' amigo e admirador

Allan (C. Landoni)

domingo, 19 de outubro de 2008

Jú...

Jú, mesmo que as estrelas começassem a cair e queimassem tudo ao redor, qual seria o melhor lugar para fugir? “ANGRA DOS REIS”, e se para fugir tivéssemos que levantar “ANTES DAS SEIS”, e se tivéssemos “DEZESSEIS” anos, e se você tivesse dois filhos “SERÁ” que os chamaria de “OS ANJOS”, ou ”EDUARDO E MÔNICA”? Esqueça isso e pense que “QUANDO O SOL BATER NA JANELA DO TEU QUARTO”, de cartas faremos um “MONTE CASTELO”, porque somos da “GERAÇÃO COCA-COLA” e somos bem mais revolucionários que os “ÍNDIOS” e isso inclui “MENINOS E MENINAS”. “AINDA É CEDO” para pensar em tudo isso, porque “HÁ TEMPOS” ver o “VENTO NO LITORAL” é a “PERFEIÇÃO” para “PAIS E FILHOS”, mas também não pense que é “TEMPO PERDIDO” desenhar o futuro com “GIZ”. Falar tudo isso seria só “MAIS DO MESMO”, eu só quero que essas palavras soem de uma forma “SERENÍSSIMA”, mas sei também, que mais parece “TEATRO DOS VAMPIROS”, “EU SEI” que “HOJE A NOITE NÃO TEM LUAR” e com o céu tão nublado e desenhado, ficou até parecendo “METAL CONTRA AS NUVENS”. Mas “POR ENQUANTO”, “QUASE SEM QUERER” percebo que “QUASE NADA” está bom, então escrever, passou a ser um “BICHO DE SETE CABEÇAS”, mas para esquentar isso é fácil, é só pôr “LENHA” e achar uma “AQUARELA”, “QUE MARAVILHA”, um “SONHO DOURADO”, seria uma “FOLIA”, “ALEGRE MENINA”, te “SEDUZIR” com “FLOR DE LIS” “MEU BEM QUERER”. É, “EU TAMBÉM VOU RECLAMAR”, você tem tudo para ser “A MOÇA” mais bela, mesmo em um dia estranho, mas por “MEDO DA CHUVA”, você se esconde, são só “PINGOS DE AMOR” caindo do céu, é pena que você não percebeu, mas hoje, “QUANDO EU ESTIVER CANTANDO” para você, não esqueça o que dizia “A CARTA”, não é só “MAIS UMA VEZ” que devemos tentar, “TENTE OUTRA VEZ”. Te Amo Jú.
Texto por: Márcio Braga.

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Mais um diálogo, por favor!

- Aqui está, senhor!
- Obrigado.
- O senhor está chorando?
- Estou, duas lágrimas.
- De açúcar ou adoçante?
- De açúcar, mas nada que vá deixar o diálogo doce demais.
- Está viajando?
- Sim.
- O que está levando na viagem?
-Centenas de páginas pra escrever, mil idéias na cabeça
e uma garota inesquecível pra esquecer.
- Desculpe, não entendi o paradoxo.
- Sabe, quando me lembro dos olhos dela esqueço que estamos na primavera e que em dezembro será a vez do verão. Quando me lembro do dia em que ela, ainda a minha fada verde-musgo, e eu nos conhecemos, esqueço que já passamos do século XX; esqueço até que não estamos mais na Idade Média! Quando aquela voz doce e recheada por tantos e lindos sentimentos chega de longe até meus ouvidos, esqueço das conversões de energia e é como se cada palavra chegasse, não galgando os postes de um ponto a outro da cidade, mas vindo naturalmente, pelas ondas vibrantes do ar.
- Então por que você está indo embora, assim, tão triste?
- Por que ela é a garota que entende as minhas palavras, o que falo e o que escrevo. Porque ela me ouve, e parece gostar de me ouvir. Porque ela é delicada, ao mesmo tempo em que há uma explosão de juventude dentro dela, e dentro de mim também. Porque ela é desprendida e eu também. Porque ela é sensível e inteligente, por isso não conseguiria ser feliz onde não há beleza e encanto para serem divididos. Porque ela é bonita demais.
- Ué, então, só motivos pra você ficar!
- Sim, claro, seria, mas olha o futuro do pretérito quebrando todo o encanto e a magia da vida. Seria, faria, queria, poderia, mas sendo gramático elimino pra sempre esse tempo enfadonho e sabotador da vida, e junto dele também o ‘mas’, essa conjunção adversativamente letárgica,
esse lithium sintético, ou melhor, sintático.
- Não entendi.
- Está vendo isso aqui? São as melhores páginas da minha história! Que estupidez rasgar e jogar fora o que mais está valendo a pena nessa história chamada vida, páginas que seriam no mínimo lindas e surpreendentes. Mas a minha garota especial me deseja sorte, mesmo sabendo que estou me afastando para deixar o amor que por ela tenho, em tão explícita verdade, num lugar qualquer do mundo.
- Entendi, pra você ela parece não estar se incomodando nem um pouco com isso.
- Com o que sinto, é... Ela quer que sejamos somente amigos.
Por isso me deseja sorte, quando sorte pra mim seria...
- Você gosta muito dela, não gosta?
- Eu? Eu gosto ‘pacas’ daquela garota! Sorte, muita sorte seria se ela aparecesse agora, com o peito exaltado, nítida a corrida dela contra o relógio, e expressando naquele rosto lindo uma vibração e uma alegria de que não se esquece, só por ainda não ter me perdido pra sempre. E então ela diria ofegante: cara, eu gosto ‘pacas’ de você! Fica comigo, porque eu não quero, e nem posso mais ficar longe do cara que amo.
- Senhor? Com licença, senhor?
- Ah, sim, desculpa...
- Mais um diálogo?
[três segundos depois...]
- Não, a conta, por favor.

Diálogo...

- Sabe, eu não conseguia suspirar e acreditar
na minha felicidade ao lado de alguém desde
que amei pela última vez. Há mais de uma
década eu não conseguia dizer "eu te amo"
e sorrir ao mesmo tempo,
então...
Por que pra você eu consigo?

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Diálogo Propício...

-Sabe, eu não consigo falar nem três palavras direito com alguém que eu não conheça há bastante tempo, então... Por quê com você eu consigo?

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Diálogo Propício a Convergências.

-Não tem que fazer isso.
-Sempre me dizem isso.
-Então eles estão certos.
-Estão? mas...
-Não tem que fazer mesmo.
-Não?
-Não, isso se quer ou não se quer.
-E querendo?
-Aí se pode ter, e tem.
Allan (C. Landoni)

domingo, 12 de outubro de 2008

Diálogo Propício à Divergências.

-Não tem que fazer isso. -Sempre me dizem isso. -Sempre dizem o que? -Sempre dizem: "Não tem que fazer isso". -E não tem.
Juliana Marques.

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

All About You - McFly - Tom Fletcher

It's all about you (it's all about you)
It's all about you baby
It's all about you
(it's all about you)
It's all about you

Verse 1:
Yesterday you asked
me something]
I thought you knew
So I told you with
a smile]
It's all about you
Then you whispered in
my ear]
And you told me too
Said you'd make my
life worthwhile]
It's all about you

Chorus:
And I would answer all of your wishes
If you ask me to
But if you deny me one of your kisses
Don't know what I'd do
So hold me close and say three words like you used to do
Dancing on the kitchen tiles, it's all about you, yeah!

(Guitar solo)

Chorus 2:
And I would answer all of your wishes
If you ask me to
But if you deny me one of your kisses
Don't know what I'd do
So hold me close and say three words like you used to do
Dancing on the kitchen tiles
Yes you make my life worthwhile
So I told you with a smile
It's all about you

It's all about you (it's all about you)
It's all about you baby


Ps.: O dia de hoje não vai ter nada de especial
pra mim. 
Nem um sorriso,nem uma visão, nem nada que possa
servir de recordação.
Por um bom tempo, ou pra nunca mais. 
Vê se volta e traz de volta tudo que hoje
deixei pra trás. 

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Beatriz - Edu Lobo e Chico Buarque

Olha Será que ela é moça Será que ela é triste Será que é o contrário Será que é pintura O rosto da atriz Se ela dança no sétimo céu Se ela acredita que é outro país E se ela só decora o seu papel E se eu pudesse entrar na sua vida Olha Será que é de louça Será que é de éter Será que é loucura Será que é cenário A casa da atriz Se ela mora num arranha-céu E se as paredes são feitas de giz E se ela chora num quarto de hotel E se eu pudesse entrar na sua vida Sim, me leva para sempre Beatriz Me ensina a não andar com os pés no chão Pra sempre é sempre por um triz Ai, diz quantos desastres tem na minha mão Diz se é perigoso a gente ser feliz Olha Será que é uma estrela Será que é mentira Será que é comédia Será que é divina A vida da atriz Se ela um dia despencar do céu E se os pagantes exigirem bis E se um arcanjo passar o chapéu E se eu pudesse entrar na sua vida

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Anjo Querubim

Paranormal

Sobrenatural

Surreal

Um anjo, arcanjo, querubim de cachos dourados olhando pra mim

Sem asas, mas um coração tão grande que se amostrava assim, de graça

Meus 155 centímetros de amor parecem muito pouco pra que essa prece se faça real

Usando de todas as formas para merecer

Usando de artifícios para chegar ao céu

Usando de palavras para tocar um coração

Um sorriso para tentar esquecer do que não posso ter

Um ser vindo de um sistema estrelar binário

Um astro maior, bem maior que o crepúsculo dos três sóis multicoloridos da constelação de Cisne

Aconteceu de aparecer em maio

Numa busca incansável à perfeição

Tentando não chamar atenção, de uma grandeza adimensional

Minhas palavras parecem tão frágeis

Seu sorriso ensurdecedor

Faz-me quebrar... 1, 2, 3 vezes, sem me dar tempo pra suportar

Coração inatingível, apesar de tão exposto

Seca lágrimas que não caem

Quem vai me socorrer senão você?

Uma manhã e o sonho se desfaz

Qualquer prova de que não foi tão fugaz

Um suspiro ao saber que eu não chegarei nem a nuvem mais baixa do céu

Encho os pulmões de um ar pesado buscando um fio de vida

Fio dourado de uma vida inconstantemente humorada

Só palavras, palavra, palavras, odeio as palavras que não consigo dizer

55 dias no espaço

Na lua ou em Saturno

Um tempo para tentar entender o que eu fiz pra Deus

Qualquer estrela-cadente que aumente as chances de um ser decadente

Um cometa que me faça chegar à Cidade dos Anjos

Um bem-querer, mal-querer no infinito

Não vai ser moda

Não vai virar livro

Não vai ter lado Z nem lado Y

Delicadeza e doçura

Uma menina e um Querubim

Nada disso faz sucesso em revista

São todos sinais

São todos meros vigilantes desse milagre

Sou toda amor, um amor quase sem querer

É como poeira cósmica

É como uma estrada infinita

É assim, quase tudo, quase nada...

Texto por: Juliana Marques ----- Imagem:Final Fantasy - Studio Deen