domingo, 6 de abril de 2008

Inspiradora, encantadora...

"Fiz para ela este poema, a fim de que, com os olhos brilhantes , a fulgir como os gêmeos de Leda, ela possa encontrar seu nome, nesta folha aninhado, e escondido a outras vistas curiosas. Perscruta em cada verso!Um segredo eles guardam, um celeste amuleto, um talismã divino que não se deve usar fora do coração! Os ritmos , letras, sonda! E nem sequer te olvides do ponto mais trivial ou será em vão o esforço! E não há, entretanto, aqui, qualquer nó górdio que só se chegue a abrir com o fio de aguda espada, desde que do segredo a trama se compreenda. Vê! Estão dormindo, bem perdidos nesta página em que abismas o teu olhar repleto de alma, três termos de eloqüente expressão, que os poetas a poetas falam, pois o nome é de poeta! E as suas letras , mau grado o nos mentirem, como mente o fidalgo Pinto Mendez Ferdinando, querem dizer " verdade"! Oh! Cessa a tua busca. Por mais que tentes, não decifrarás o enigma. "
Edgar Allan Poe.

2 comentários:

Camillo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Camillo disse...

Pobre de mim, legítimo poetinha, cuja finalidade poética e vital é expandir o próprio coração, mas que termina sempre por encerrar o peito com tantos mistérios que nem eu sei porque dentro de mim ainda sinto todo esse vazio, o mesmo vazio que vejo nos olhares cegos para a poesia e para meus tão evidentes enigmas líricos.

será que o olhar da minha Ingrid também vai desistir muito cedo de encontrar o segredo mais elementar dos meus versos?

sem resposta, eu sei... eu sei...