quarta-feira, 23 de abril de 2008

ANNABEL LEE

Foi há muitos e muitos anos já, Num reino de ao pé do mar. Como sabeis todos, vivia lá Aquela que eu soube amar; E vivia sem outro pensamento Que amar-me e eu a adorar.

Eu era criança e ela era criança, Neste reino ao pé do mar; Mas o nosso amor era mais que amor -- O meu e o dela a amar; Um amor que os anjos do céu vieram a ambos nós invejar.

E foi esta a razão por que, há muitos anos, Neste reino ao pé do mar, Um vento saiu duma nuvem, gelando A linda que eu soube amar; E o seu parente fidalgo veio De longe a me a tirar, Para a fechar num sepulcro Neste reino ao pé do mar.

E os anjos, menos felizes no céu, Ainda a nos invejar... Sim, foi essa a razão (como sabem todos, Neste reino ao pé do mar) Que o vento saiu da nuvem de noite Gelando e matando a que eu soube amar.

Mas o nosso amor era mais que o amor De muitos mais velhos a amar, De muitos de mais meditar, E nem os anjos do céu lá em cima, Nem demônios debaixo do mar Poderão separar a minha alma da alma Da linda que eu soube amar.

Porque os luares tristonhos só me trazem sonhos Da linda que eu soube amar; E as estrelas nos ares só me lembram olhares Da linda que eu soube amar; E assim estou deitado toda a noite ao lado Do meu anjo, meu anjo, meu sonho e meu fado, No sepulcro ao pé do mar, Ao pé do murmúrio do mar.

Edgar Allan Poe.
Obs.: Post para Camilo Landoni, amigo, presente, acima de tudo. Para tentar agradecer, em parte, o tanto que me ajudou. Um pouco de Poe para lembrar Nabokov, e para completar uma imagem de "Brilho Eterno de uma Mente sem Lembraças", porque tudo isso lembra muito mais do que o óbvio, porque são coisas incomuns, que interligadas dizem muito para mim sobre a nossa amizade. Não se esquecendo de Beethoven entre cada gole de café expresso que um dia tomaremos juntos... Obrigada por tudo.

4 comentários:

Camillo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Camillo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Camillo disse...

Juliana, nos últimos dias achei que não íamos ter futuro como amigos, mas agora sinto que nossa amizade está muito mais forte e contundente do que antes. Toda ess minha paranóia não é nada mais que o reflexo de tantas e tantas perdas que venho sofrendo ao longo da minha vida. E você me ajudou no episódio que foi minha última grande perda, e a mais lamentável. Não, eu não quero mais perder ninguém!
Lindas são as suas palavras sobre nossa amizade! Ah... se você acreditasse mais em si mesma...
Eu acredito em você! Acredito no seu talento, por exemplo, com as palavras e com as imagens!
Adorei sua síntese precisa, os fragmentos do que conversamos, tudo muito bem relacionado, mas aparentemente sem qualquer ligação! XDD
Obrigado, muito obrigado por mais uma homenagem! Você sabe mesmo me surpreender!
Tomar café expresso com você? Ter sua companhia além do msn?! Por mim já estão marcados esses dias!

Beijules!

Alice Teixeira disse...

Lindo texto...

É legal encontrar pessoas que fazem perguntas parecidas com as nossas. Mas isso só acontece quando temos coragem de perguntar.
O que eu quero dizer é que às vezes pensamos que apenas nós temos problemas, dúvidas, tristezas... mas isso é porque simplesmente não comentamos com ninguém! Quando, simplesmente, escrevemos sobre isso ou fazemos um comentário com outra pessoa, notamos como fomos estúpidos de não termos feito isso antes!
Antes de ter um blog, eu vivia muito chateada com a vida... na verdade ainda continuo, mas isso não vem ao caso... quando comecei a escrever, muitas pessoas vieram a mim falando sobre conflitos parecidos, outros vieram e disseram que já tinham passado por aquilo e davam seus depoimentos... e assim eu fui descobrindo que não estava sozinha no mundo...
Mas sim... achei muito legal que você tenha se identificado comigo, pois me identifiquei muito com os seus posts e, definitivamente, adoraria continuar mantendo o contato!

Ah!
Outra coisa... tenho uma certa tendência em ser confusa no que escrevo... espero passar a idéia certa nesse comentário...

^^
Beijos!